Pokémon Mythology
Olá, visitante! Vejo que ainda não está conectado ao nosso fórum, faça login.
Espere, você ainda não está cadastrado? D:
Inscreva-se em nosso fórum e venha aproveitar as novidades que estamos preparando pra vocês. Nós teremos o maior prazer em recebê-lo no fórum e se precisar de qualquer ajuda, temos muitos membros e nossa equipe para ajudá-lo! Lembrando que você pode postar sua fanfic, seus desenhos ou edição de imagens, seu vídeo-detonado ou gameplay, participar de um RPG, postar e ler notícias do mundo Pokémon, tirar todas as suas dúvidas sobre todos os jogos de Pokémon, comentar sobre o desenho do momento ou apenas jogar um papo fora. Além de fazer amigos!
Para cadastrar-se clique no botão 'Sign-Up' ou em 'Registrar-se' aqui abaixo. Seja bem vindo!
Contos do Jogo Matrimonial Pikalove

Contos do Jogo Matrimonial

Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por Asami em Ter 20 Jan 2015 - 22:21

Contos do Jogo Matrimonial

Essa fanfic é na verdade uma reunião de contos sobre o RPG Jogo Matrimonial, da Moriana. Este tópico vai reunir contos feitos por qualquer player ou fã do jogo, spin offs ou não, sobre os personagens e situações que eles se podem se meter! Divirta-se lendo!

Índice escreveu:1. Crise
2. Mirol I
3. Hora do Duelo! Ken Vs. Noah!
4. XX, o Aeon
5. Bem vindo à dimensão X


Contos do Jogo Matrimonial BgN3LQs
CRISE

Alex não sabia onde estava, nem o porquê dele estar ali. Num segundo ele estava escrevendo uma redação que sua professora pediu, no outro ele estava num enorme salão. O garoto observou assustado as pinturas de anjos manchados de sangue nas paredes, o grande vazio escuro no lugar do teto e a imagem que o chocou: uma cruz com um homem pregado, só que não era Jesus. Era ele, com a cabeça quebrada no meio, ele estremeceu ao ver a imagem.

Alex se depara com a visão de um homem branco, quase pálido, com feições femininas. Seus cabelos vermelhos passavam da cintura, esse homem tinha um rosto muito feminino e se vestia com roupas pretas. O olhar era sádico, maligno e penetrava na alma de quem olhasse. O sorriso do ruivo era irônico, Alex estremeceu ao perceber que era ele mesmo.

– “Noah é tão babaca, todo aquele papo de amizade me enoja! E essa Carol? Piveta irritante e sem sal! Eu tenho de trata-la bem, mas ela não passa de uma garota mimada. Não preciso falar da Miranda, não é?” – Vozes saiam de todos os lugares espalhando as mesmas palavras pela sala.

– O que é isso? – Alex dizia, surpreso.

– Oh, Alex! Não terminei ainda! Não disse o quão falso você é para os outros! Hahahaha! – O reflexo de Alex ria, a maldade em suas palavras fez a sua versão “boa” estremecer.

– Quem é você, realmente? – Alex perguntou, gritando. Sua expressão era raivosa, mostrando que estava nervoso e tinha perdido a calma.

– Sou você, o garoto frágil que gosta de garotos! O garoto que finge estar sorrindo o tempo todo só porque não quer dizer pros amigos, não, melhor, para as PESSOAS o que realmente sente sobre elas! – Ria histericamente – Eu sou você, babaca. Eu sou o seu outro lado, o lado que você esconde de todos!

Alex se ajoelhou. Na sua cabeça, não pode ser verdade. Ele realmente pensa isso sobre as pessoas? No fundo, ele sabe a verdade. Ele realmente pensa isso! Mas não quer aceitar. Alex sempre tentou manter as boas aparências e sempre tentou ser amigo de todo mundo para ser aceito por todos, mesmo sendo gay.  

– Eu não sou você! Nunca fui e nunca serei! – Alex gritou, não queria aceitar aquilo de jeito nenhum.

– HAHAHAHAH!!

A outra versão do rapaz começou gargalhar enquanto uma sombra o envolvia. De repente o que estava na frente de Alex na verdade era um padre com 3 metros de altura com seus braços musculosos segurando um grande livro estragado com a capa e suas folhas rasgadas. Suas vestimentas estavam desgastadas, podres e meladas de sangue. Suas costas estavam chicoteadas, dava para perceber algo escrito nelas. Era ilegível, não dava para ler com a carne viva e o sangue escorrendo.

– O que é isso? – as pernas do rapaz começaram a tremer até ceder, deixando-o ajoelhado perante o padre.

– Você não entende?! Eu sou você! – Riu um pouco – Está com medo de você mesmo, garoto?

Alex refletiu um pouco enquanto ouvia vozes:



"Jasper, você é um merda, só sou gentil com você porque sinto pena! Você não tem amigos, eu VEJO você sozinho pelos corredores desde que o ano letivo começou!"


– Pare... – o garoto, ajoelhado, começava a lacrimejar.

"Misaki, você é a pessoa mais vazia e manipulável que já conheci!"

– Pare... – O seu tom de voz ficava um pouco mais grave.

"Amigos? Eu os chamo disso mas eles não me aceitariam como eu sou, nem eu mesmo me aceito!"

– PAAAARE!!! – Ele gritou, se levantando.

O grande padre exitou. Alex começou a caminhar na direção da aberração.

– Sim, eu acho isso de todo mundo. Não é uma mentira, mas todos eles são meus amigos e me aceitando ou não eles vão ter um lugar no meu coração. Miranda é uma garota forte, Jasper é decidido, Noah é fofo, Carol é frágil e gentil, Misaki é uma garota que me faz sorrir. Você sou eu e eu sou você, eu posso pensar isso de todo mundo mas ainda GOSTO de ser gentil, gosto das pessoas como elas são! 

O ruivo abraçou a perna do padre e uma fumaça dourada envolveu os dois, formando uma cruz no salão. Quando dissipou, Alex e seu outro eu estavam abraçados. A imagem do outro Alex estava translúcida enquanto os dois sorriam. Em segundos o outro Alex sumiu e uma luz azul saiu do céu. Alex observou a imensidão negra no teto da catedral com uma luz azul descendo com algo. O que era? Uma carta.

Contos do Jogo Matrimonial Persona_3_4_tarot_card_deck_hr___temperance_arcana_by_enetirnel-d6xr6ol

Alex fez uma concha com suas mãos e a carta se despedaçou e sumiu um pouco antes de toca-las. No céu, a imagem do padre translúcida apareceu, mas era um pouco menos acabada. As roupas estavam inteiras, o livro novinho em folha, o padre antes ruivo estava agora sem rosto e suas costas... Oh! Suas costas estavam parecidas com a de um jovem e nelas estava escrito: 1:20 et confessus est et non negavit et confessus est quia non sum ego Christus. Alex sorriu e fechou seus olhos pensando em todos seus amigos e família. 


Última edição por Asami em Qua 21 Jan 2015 - 18:46, editado 6 vez(es)
Asami
Asami
Membro
Membro

Feminino Idade : 21
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 17/08/2011

Frase pessoal : É caaaanon!


http://indigoplateau.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por Rush em Qua 21 Jan 2015 - 0:18

Contos do Jogo Matrimonial Tumblr_msabvp5aon1s4h0g8o10_250

- Eu não sou babaca! 


Contos do Jogo Matrimonial Angryjude_zps5e491244

- Sai dessa bad, Alex!





AUEHAUEH' Gostei da Shot, então quer dizer que o Alex não é tão puro quando ele aparenta ser, ein? Gostei bastante desse conflito entre Alex e o seu "eu" interior, mostrando a pressão que ele sente não só por causa de sua sexualidade, mas pela sua religião também. Provavelmente o fato dele estar em cima do muro, decidido, porém com dúvidas sobre a veracidade de sua religião acabam por tornar a sua vida um pouco mais sem sentido, não?

Enfim, deixando de lado todo esse papo analista psicológico, eu fiquei bolado que o Alex tenha tido toda essa bad trip. Mas fico feliz em saber que ele venceu na luta de saber quem ele é e ter se aceitado.

O Alex é um personagem incrivel, e você sabe escrever muito bem. Ficou muito bom!



e ah



Contos do Jogo Matrimonial 0934c9fa0d
Rush
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 25
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : Agora você não tem mais waifu!


Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Mirol I - Amorzinho <3

Mensagem por Asami em Qua 21 Jan 2015 - 1:12

MIROL I

O centro! Um ambiente movimentado e cheio de pessoas conversando, sorrindo e comprando. Principalmente comprando. Isso é algo que anima o pai do Alex, mas ele não é o foco nessa história. Miranda havia aceitado o convite de Alex e reuniu Carol, Noah e Misaki num grupo de estudos. Alex e Noah roubaram a cena naquela tarde, os dois solucionaram todas as dúvidas das garotas, eles realmente são espertos. No fim da tarde, todos estavam falando sobre como a professora Jayne tinha um tique estranho no olho e como ela dava bronca nos seus alunos. 
 
Nove horas da noite. Alex, Noah e Misaki decidiram jogar cartas no restaurante lá no térreo enquanto Miranda e Carol ficaram sozinhas no quarto de hospedes fazendo tranças uma nas outra. Miranda não é muito de fazer trança, mas é a Carol! Ela faz tudo pela Carol, a pequena garota a animava de uma forma muito singular.
 
– Você faz tranças muito bem, senpai! – A garota mentiu, as tranças estavam horríveis e o cabelo dela estava todo desarrumado! Mas ela gostava de deixar Miranda feliz.
 
– Obrigado, Carol – Ela sorriu – Mas vamos ser sinceras, isso tá uma droga.
 
As duas deram risinhos, Carol virou para Miranda e sem querer chegou muito perto. Os seus olhares colidiram e elas ficaram paradas por alguns segundos, hipnotizadas.
 
– Você é mesmo muito bonita, Miranda. –  Carol ficou um pouco corada e seus olhos negros começaram a cintilar.
 
– Huh – Miranda se aproximou mais um pouco – Você é muito fofa!
 
Miranda fitou os lábios de Carol um pouco, elas já se conheciam há um tempo e esse laço de proteção sempre teve algo mais no coração da jovem. Ela não sabia como dizer para a menina, mas gostaria de demonstrar. Normalmente, Miranda acharia essa situação tosca mas o que ela sente é algo muito sincero e profundo.
 
– Huh... – Miranda se curvou um pouco, colocou seus braços na cama, prendendo Carol.
 
Carol estava achando esquisito, mas estava gostando disso. Ela gostava muito de Miranda, muito mesmo. “A senpai sempre me protegeu!”. Carol, com suas bochechas vermelhas como pimenta e seus lábios vermelhos, abriu a boca um pouco esperando por um beijo.
 
Os lábios de Miranda e os de Carol se tocaram, as duas se sentiram mais vivas do que quando enfrentaram monstros no ápice da adrenalina dada pela batalha. Miranda sentiu um calor indescritível no seu corpo. Ela se sentia excitada como nunca antes estivera E POR UMA MENINA, uma pequena. Ela estava confusa.
 
Carol virou o rosto por um momento, pensou um pouco no que estava fazendo e se isso era certo. Ela estava ofegante, sem ar. Miranda a deixou LOUCA, sem mesmo ter feito nada além de ter lhe dado o melhor beijo de todos!
 
– Carol... – Miranda olhou nos olhos da garota, sorrindo.
 
– Mira... – A menina cedeu e deitou na cama, se entregando a Miranda.
 
Miranda entendeu o recado, sua mão alisou as coxas da pequena Carol enquanto a beijava. O beijo de Carol era muito excitante para Miranda. Não por ser um beijo experiente, o que não era, e sim porque a inexperiência da garota a encantava. Miranda se perdia naqueles lábios e Carol estava adorando sentir a mão de Miranda em contato com sua pele.
 
– Ei, Alex, vou pegar meu notebook no quarto! – As duas ouviram Noah falar.
 
Os passos do garoto estavam cada vez mais perto. Miranda realmente não queria soltar os lábios da Carol nem tirar sua mão das pernas da garota, mas não podia deixar Noah ver isso. Ela soltou Carol e arrumou sua roupa. Carol se levantou também, mas não conseguiu tirar o sorriso de felicidade do seu rosto. 
 
Noah abria a porta e fitava as duas com uma expressão sorridente. 

– O que vocês tão fazendo? Vocês querem descer para brincar conosco?!
Asami
Asami
Membro
Membro

Feminino Idade : 21
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 17/08/2011

Frase pessoal : É caaaanon!


http://indigoplateau.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por Rush em Qua 21 Jan 2015 - 1:48

Os doisestavam no refeitório. Como de costume, o lugar estava bem movimentado, independente da carga horária dos alunos. Para a felicidade dos dois – ou não – hoje seria aula vaga para o primeiro ano.

Noah havia se encontrado com Cecil, já que ele não tinha nada melhor pra fazer. Misaki havia ido resolver alguns problemas pessoais.




Contos do Jogo Matrimonial Tumblr_msabvp5aon1s4h0g8o5_250


- Então quer dizer que você está matriculada no mesmo colégio que a gente mesmo? Você não acha isso chato?





- Porque eu acharia isso chato? Os deuses me mandaram entender os humanos, e para isso eu devo agir como uma de vocês. Falando nisso, como você acha que eu estou com esse uniforme?


Contos do Jogo Matrimonial 21e2dty




Contos do Jogo Matrimonial Tumblr_msabvp5aon1s4h0g8o8_250

- C-Claro! Você está bem bonita!



Alguns sons semelhantes a engrenagens soavam do rosto de Cecil. Um sorriso simpático então era formado como resposta. Os dois se sentavam em uma mesa no refeitório.



Contos do Jogo Matrimonial Happyjude_zpse0bf2757

- Acho que vou pedir um hambúrguer. Você quer comer algo?



- Não costumo consumir alimentos orgânicos como vocês, mas adoraria experimentar esse tal de “hambúrguer”.

Contos do Jogo Matrimonial 21e2dty




Contos do Jogo Matrimonial Tumblr_msabvp5aon1s4h0g8o3_250

- Ótimo, vou pegar dois então!




Quando Noah se levantava até um dos estabelecimentos que vendiam hambúrgueres – os mais deliciosos de toda a escola. Ele percebia só restar dois. Que sorte!

No entanto que ele ia pegar o alimento, Ken aparecia pegando um deles.




Contos do Jogo Matrimonial Tumblr_msckjykwvG1s4h0g8o6_250

- Ei! Eu ia pegar esse ai.



Ken  recuava um passo.


-eu nao ligo alem disso voce ja pegou um




Contos do Jogo Matrimonial Tumblr_msckjykwvG1s4h0g8o2_250


- Sim, mas eu comprei esses dois. Um é para Cecil.




- achado nao e roubado seu boco




Contos do Jogo Matrimonial Angryjude_zps5e491244

- Tsc! Pare de brincadeiras, Ken! Me dê esse hambúrguer! 





- ok ok vamos fazer o, seguinte, se voce me vencer num duelo mano a mano em uma partida de yu gi oh voce podera ficar com o hamburguer




Noah sorria, ele então imediatamente pulava para trás, tirando aqueles lances maneiros que os jogadores de Yu-Gi-Oh usam em seus braços. Era incrível em como Ken também tinha um. O que mais chamava a atenção, é que Ken estava trajando uma capa negra e um capacete do Darth Vader.



- Ok, seu nerd. - Ken dizia em uma voz grossa e pesada, pausando para suas respirações épicas de Darth Vader. - Eu começo invocando o Mago Negro em modo de ataque.


Contos do Jogo Matrimonial Dark_Magician





Contos do Jogo Matrimonial Tumblr_msckjykwvG1s4h0g8o2_250

- Ei, você não precisa sacrificar monstros para invocar essa carta?



- Eu não sei jogar isso. - Ken respondia em sua voz sensual de Darth Vader.



Contos do Jogo Matrimonial Tumblr_msckjykwvG1s4h0g8o2_250

- Tudo bem, eu também não.



Contos do Jogo Matrimonial Tumblr_msckjykwvG1s4h0g8o6_250

- Eu invoco esse Dragão Bonito em modo de ataque e essa carta aqui virada para baixo.




Contos do Jogo Matrimonial 1328563043-87800800





- Ok, Mago Negro, ataque o Dragão Bonito! Com isso você perde 100 pontos de vida, nerd fracassado!




Contos do Jogo Matrimonial Tumblr_msabvp5aon1s4h0g8o7_250


- Nãããããão.




Contos do Jogo Matrimonial Angryjude_zps5e491244

- Ok, preciso virar o jogo!


Contos do Jogo Matrimonial Bummedoutjude_zpsccb540b9

- Por favor, coração das cartas....



Contos do Jogo Matrimonial Happyjude_zpse0bf2757

- Isso! Eu invoco esse dragão com um monte de estrelas!  



Contos do Jogo Matrimonial Yugioh-lc03-en004-limited-edition-five-headed-dragon-ultra-rare-holofoil-card-4



- Você precisa fundir



Contos do Jogo Matrimonial Happyjude_zpse0bf2757

- Não preciso não.



- precisa sim



Contos do Jogo Matrimonial Happyjude_zpse0bf2757

- Não, não preciso.



- Prescisa sim



Contos do Jogo Matrimonial Happyjude_zpse0bf2757

- Nope.




- Precisa



Contos do Jogo Matrimonial Happyjude_zpse0bf2757

- Não to te escutando. Lalalalalala




- Ok



Contos do Jogo Matrimonial Happyjude_zpse0bf2757

- Ok. 




Ken então tirava uma poderosa carta de sua manga. Pera, isso não é trapaça?



- Eu então invoco minha waifu, Magic Girl! E como seu efeito especial ela destrói o seu campo e converte em pontos de vida!


Contos do Jogo Matrimonial DarkMagicianGirl-DL18-EN-R-UE-Green





Contos do Jogo Matrimonial Angryjude_zps5e491244

- O nome dela não é Dark Magician Girl? E esse efeito nem existe!


- Existe sim


Contos do Jogo Matrimonial Angryjude_zps5e491244

- Não existe não, você inventou.



- Mas eu sou o vilão



Contos do Jogo Matrimonial Angryjude_zps5e491244

- Não, tu não é.



- Sou sim senhor



Contos do Jogo Matrimonial Angryjude_zps5e491244

- Então deixa eu ler o efeito da carta.


- Não



Contos do Jogo Matrimonial Angryjude_zps5e491244

- Grr... O efeito não é isso!



- Ta, mas o efeito destroi a sua carta.



Contos do Jogo Matrimonial Angryjude_zps5e491244

- Ok! Então você ativa a minha armadilha!





Contos do Jogo Matrimonial Images?q=tbn:ANd9GcQmPXYwNoThpSyMj3N5e-1e53xbsEoXnwOL0lGfFOTVz29jyTS3



Contos do Jogo Matrimonial Happyjude_zpse0bf2757


- Agora você não tem mais waifu.




Ken caía de joelhos. Suor escorria em seu rosto e seria visível se não fosse pelo seu capacete de Darth Vader. Ele ficava parado por um momento, mas se levantava com dificuldades.




- voce joga bem noah. - Dizia retirando seu capacete. - mas eu sou invencivel vai pikachu commando




Contos do Jogo Matrimonial 9GmGHBZ9uKCr



- conerta seu dano em pontos de vidaaaaaa




Contos do Jogo Matrimonial Angryjude_zps5e491244


- Isso não é nem uma carta de Yu-Gi-Oh! Ah, quer saber? Eu perdi a fome. 



Noah então vira de costas e todo aquele cenário em 3D desaparece. Apenas com um hambúrguer ele caminha até Cecil, onde a robô ensina sobre amizade o repartindo em dois. Ela não ficava triste por Noah ter perdido, e sim grata por compartilhar do gosto de um alimento novo com seu amigo. Os dois riam da situação e conversavam sobre o dia dia, se conhecendo melhor e fortalecendo seu laço de amizade.


Distante dali, Ken estava com o hambúrguer em suas mãos. Ele havia feito... Ele havia superado Noah. Ele havia vencido de seu arqui rival de uma vez por todas!



- hahaha eu venci daquele bobao agora vou desfrutar do meu hamburguer



Então antes de abocanhar aquele alimento delicioso, um vulto surgia, roubando o hambúrguer das mãos de Ken. Quando o garoto tentava lutar pelo seu pedaço de prazer, o ladrão o empurrava, o derrubando no chão.


Contos do Jogo Matrimonial SQTRyWo


- Valeu, Ken. Estava com fome mesmo. 



Então Jasper saía com o hambúrguer, deixando Ken ali no chão. Sem seu bastão de material bem duro.


Última edição por Rush em Qua 21 Jan 2015 - 2:06, editado 1 vez(es)
Rush
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 25
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : Agora você não tem mais waifu!


Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por Asami em Qua 21 Jan 2015 - 1:54

Contos do Jogo Matrimonial 6IHuR9l


Alex estava lendo um livro na sala de aula, enquanto a professora estava corrigindo algumas atividades no quadro. Ele já sabe que tinha acertado tudo, por isso observa da janela Noah e Ken jogando cartas.

- Isso é sério?



RUSH ISSO FOI MT BOM MULEQUE
Você capturou a essência do Ken e do jogo de duelos, sério. Amei. <3
Rod/10
Fazia tempo que eu não lia algo tão engraçado.


Última edição por Asami em Qua 21 Jan 2015 - 1:55, editado 1 vez(es)
Asami
Asami
Membro
Membro

Feminino Idade : 21
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 17/08/2011

Frase pessoal : É caaaanon!


http://indigoplateau.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por mrdeid em Qua 21 Jan 2015 - 1:55

[01:50:36] Speedy: RUSH
[01:50:36] Speedy: ISSO VAI SOAR ESTRANHO
[01:50:36] Speedy: MAS TE AMO CARA
[01:50:39] Speedy: SÉRIO
[01:50:42] Speedy: CÊ É [palavra censurada]


Última edição por Speedy em Qua 21 Jan 2015 - 2:10, editado 1 vez(es)
mrdeid
mrdeid
Membro
Membro

Masculino Idade : 73
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 01/01/2013

Frase pessoal : ata


Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por Okiru em Qua 21 Jan 2015 - 2:10

Contos do Jogo Matrimonial 25z3xxu

"Aaaah! Então foi o Ken que tinha pego minha Dark Magician Girl!? Eu sabia! E ainda confundiu o efeito de invocar weeaboos de quatro estrelas com isso! Aaaaah, ele é pior!" piso no chão descontando minha fúria nesse pedaço de madeira velho aqui.

Contos do Jogo Matrimonial 2saxehh

"E a propósito, ouvi dizer que sempre tem um pão a mais do que hambúrgers no pacote de alimentos da escola, então a cozinheira sempre faz o ultimo hambúrguer do dia com a -surpresa especial- dela que ela pega no banheiro, não me pergunte oque é."
Okiru
Okiru
Membro
Membro

Feminino Idade : 25
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 25/11/2012


Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por Rush em Qua 21 Jan 2015 - 2:12

Contos do Jogo Matrimonial Happyjude_zpse0bf2757

- Agora você não tem mais waifu
Rush
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 25
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : Agora você não tem mais waifu!


Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por Ele em Qua 21 Jan 2015 - 2:35

ALGUMAS HORAS ANTES, NA COZINHA DA ESCOLA:


- Muito obrigada por se voluntariar, minha filha. É raro ver alunas tão prestativas como você hoje em dia!

Contos do Jogo Matrimonial 8cmmFYn

- Quê que é isso, tia. Eu só achei que você podia estar precisando de ajuda. - Alanna coçava sua nuca, embaraçada. Seu cabelo estava preso numa redinha e ela usava um avental branco sobre seu uniforme.

- Esses garotos de hoje, você não sabe, são uns capetas! Você não vai acreditar, mas eles ficam espalhando que eu coloco sabe o quê na comida? Bosta!

- Não! É mesmo?

- É mesmo, esses desgraçadinhos. Ah bem. Acho que é isso, minha filha. Tá tudo pronto pro almoço de hoje. - A tia da cantina dá um tapa na própria testa. - Putz, esqueci de montar os hambúrgueres!

- Pode deixar que eu cuido disso pra você!

- Ah, você é um amor. Ok, eu só vou ali no congelador pegar mais alface! Você só precisa montar os hambúrgueres e colocar na prateleira, tá certo?

- Sim senhora!

Enquanto a tia da cantina se afasta, Alanna usa uma espátula para tirar um dos hambúrgueres da grelha. No entanto, não ainda acostumada com a ferramenta, ela deixa a carne cair num balde cheio de água suja, usado para lavar o chão.

Contos do Jogo Matrimonial 7aA8L49

- Eita, desgraça.

- Guria? O quê que houve? - A tia da cantina grita lá de dentro. - Você se queimou?

- N-não, tia! Eu tô legal, não foi n-nada! - Alanna rapidamente coloca as mãos dentro do balde e retira o hambúrguer, colocando-o dentro de um sanduíche e embrulhando-o.

Contos do Jogo Matrimonial JDzR5JE
- Eu acho que eu vou colocar esse aqui bem lá no fundo.
Ele
Ele
Membro
Membro

Masculino Idade : 25
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 14/01/2015

Frase pessoal : ok, but why?


Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por Mori em Qua 21 Jan 2015 - 12:59




Contos do Jogo Matrimonial D435cedf24
XX - O Aeon


Não era humana, então o que era?

Não era exatamente um robo também, faltava de partes essenciais pra isso, dentro de seu corpo não existiam circuitos lógicos ou cabos de energia, não existia um cérebro positrônico dentro de seu cranio, e nem ao menos iria entrar em curto se entrasse em contato com água, não produzia barulhos mecânicos se não por diversão, era divertido ver o que as pessoas pensavam quando a viam produzindo tal barulho.

a? não, não podia dizer que era mulher também, na verdade, mal começara a entender o conceito humano de gênero, não que se importasse porém,  humanos eram complicados, muito complicados, homem, mulheres e tudo entre eles, isso o deixava muito confuso.

o? também não era homem, definitivamente não.

pega uma faca, corta o próprio pulso.

um rio de um liquido azul e viscoso escorre por sua pele extremamente palida, brilhando levemente na escuridão do quarto em sua casa, sua casa em lugar nenhum.

aumenta o corte e encontra, ali haviam ossos e musculos, como os de uma pessoa normal, todos em um tom claro de azul, se tinha de tudo aquilo, por que ainda não era humana?

Queria ser, queria mesmo ser.

Queria pertencer, queria ser.

Ali ela queria estar, dentre todos os outros, ser igual, viver normalmente.

mas não podia entender.

- Cecil? - Uma voz poderosa adentra o quarto pela janela, uma voz conhecida que se assemelhava muito a de um antigo narrador.

se levanta, o ferimento em seu braço se fecha como se por mágica, encara o espelho

e ainda sem saber o que era, o robo, a garota, a criatura

sai de seu quarto.
Mori
Mori
Admin
Admin

Feminino Idade : 21
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 09/07/2014

Frase pessoal : Ante up!


Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por Asami em Qua 21 Jan 2015 - 13:10

Boa, Mori! Gostei da shot. Ficou bem curta e bem divertida de se ler, acho a Cecil um personagem muito curioso. Qualquer material sobre ela é bem vindo =3
Asami
Asami
Membro
Membro

Feminino Idade : 21
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 17/08/2011

Frase pessoal : É caaaanon!


http://indigoplateau.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por Rush em Qua 21 Jan 2015 - 15:10

Contos do Jogo Matrimonial Tumblr_msabvp5aon1s4h0g8o10_250

- Não sabia que Cecil...


Contos do Jogo Matrimonial Bummedoutjude_zpsccb540b9

- Passasse por isso.





Nossa Mori, você escreve muito bem. Essa shot foi muito pesada, e eu realmente fiquei com pena de Cecil. Quer dizer... Imagino o sofrimento que se passa em sua cabeça por não saber o que ele/ela realmente é. Essa crise existencial foi... Incrivelmente triste. D:

Mas você escreve muito bem, de verdade. Parabéns pela ótima shot!
Rush
Rush
ABP Mod
ABP Mod

Masculino Idade : 25
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 10/06/2012

Frase pessoal : Agora você não tem mais waifu!


Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por ana em Qua 21 Jan 2015 - 18:42

Bem vindo à dimensão x




Era um dia normal no café...

Pessoas barulhentas e animadas estavam lá; compartilhando de conversas, gracejos, comendo ou só olhando tristes para as grandes janelas que davam para a rua. E eu, eu estava lá. Sozinho. Fumando e olhando o cardápio colorido que prometia comida caseira e algo que poderia encher a alma. Engraçado ninguém reclama da fumaça... Nada demais. Puxo o fumo e deixo as pequenas formas cinzentas passearem livres pelo o ambiente.

Tudo em preto e branco, branco no preto, formas cinzentas que se juntam e se confundem nessa vã realidade. Risadas. Um prato se quebrando. E eu, olhando o teto e equilibrando um charuto nos meus dedos. Uma lembrança me volta a cabeça...

"E... espero que não fique sozinho, ninguém gosta de ficar sozinho. Mas mesmo quando isso acabar, nos certamente ainda voltaremos.”

Vocês vão, é? Aposto que vão. Uma garçonete sem rosto se inclina sobre mim, um bloquinho e caneta na mão, me perguntando em voz sedosa o que vou querer para comer. Vou querer ovos mexidos e tomates verdes fritos, chá gelado se for possível, muito bem obrigado. Ela me deixa com um risinho e diz que já volto, com minha comida. Balanço a cabeça em desencanto.

Afinal, o que há pra entender?

Música antiga toca ao fundo... O que é antiga? Quem sou eu para definir as regras? Chega minha comida, o charuto desaparece em meus dedos. Olho bem para a comida. Produto da imaginação. A quinta dimensão. É o meu dever, ketchup nos ovos, garfo na boca. É o que eu quero para mim. As conversas ao meu redor de repente se tornam sempre as mesmas, se quiserem que sejam.

Eu te amo, Rod. Uma moça me diz. Respondo que não tem muito para amar, afinal de contas, ela é produto da minha imaginação e minha imaginação é produto do infinito. Suspiro e ela, além de todas as pessoas, desaparecem sem deixar nada para trás.

Termino o chá. Estou sozinho novamente. Termino os ovos e os tomates. O café está vazio... Quando eles vão voltar? Sinto falta. Não que eu precise de companhia... Mas é divertido. Cecil e Pronome também. Todos eles. São o que dão cores a esse lugar sem vida, apesar de tudo... Um lugar além da imaginação.

Só aqui, na Zona do Crepúsculo.

Literalmente. Tudo aqui é preto e branco e eles são coloridos.

Literalmente.

Hehehehehehe. 

Será que Ms. Pacman é divertido?
ana
ana
Moderador
Moderador

Feminino Idade : 22
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 08/01/2011

Frase pessoal : ta dentro dos limites


Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por Asami em Qua 21 Jan 2015 - 18:48

Eita, gostei muito. Senti peninha do Rod ): É muito bom ter material sobre esse personagem que até então tá cheio de mistérios no RPG.
Adicionando o conto ao main post <3
Asami
Asami
Membro
Membro

Feminino Idade : 21
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 17/08/2011

Frase pessoal : É caaaanon!


http://indigoplateau.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por lord sugar em Qua 21 Jan 2015 - 19:23

-Que triste... Coitado do Rod, ele não merece ficar sozinho naquele lugar preto e branco... Tenho pena dele depois dessa one-shot...

Mas ana, você que criou o mundo né? Tipo um Deus... Parece que os Deus escrevem bem, por que a escrita está ótima! Bem explicada e bem envolvente com os pensamentos do Rod, dando assim uma pena dele e de seu mundo vazio e preto e branco. Outra coisa boa de sua escrita é o modo que a trilha sonora complementa o texto ficando assim muito agradável de se ler, muito divertido também... Espero ver mais one-shots dos deuses Ana e Mori!
lord sugar
lord sugar
RPG Mod
RPG Mod

Masculino Idade : 17
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 07/11/2013

Frase pessoal : oi


Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por ana em Ter 10 Fev 2015 - 20:34

não me perguntem muito sobre isso aqui

“O Amanhã”

Contos do Jogo Matrimonial 2a4fdbb8c0

Há um toque nostálgico e encantador em certas coisas. 

Por exemplo, o laranja que colore com tanta delicadeza aqueles momentos em que o sol faz seu ultimo espetáculo antes de dormir, aqueles raios de sol que deixam tudo mais melancólico e são os últimos do dia. Uma televisão cheia de estática presa na dimensão da infância de alguém sendo assistida por uma criança magrela que anseia pelo o que o futuro promete trazer. A alegria de sair domingo de manhã com o bolso tilintando de moedas enquanto se caminha naquela rua calçada de pedras velhas, pensando em que sabor de sorvete tomar ou se calda de chocolate seria uma boa ideia. Caixinhas de músicas e suas tristes melodias da bailarina fadada ao destino de rodar em círculos, exibindo seu bonito vestido cor de rosa e rosto pintado num sorriso. 

Ou, a realização que vem tarde da noite e sussurra no interior da alma que não, você nunca vai ser um herói ou fugir da vida no estilo do Peter Pan ou das princesas empapadas em pó de arroz.

Os olhos piscam e ele observa a mão aberta contra o céu. É cor de creme.

O céu é azul, o sol é algo entre branco e amarelo, a grama é verde. 

A mão é cor de creme.  

A liberdade é todas as cores juntas num conceito discreto demais para ser entendido. Mas vital demais para passar despercebido. Quando se passa uma vida inteira em preto e branco é difícil acreditar que sim, finalmente você pode respirar um pouco e não se preocupar com nada. Que o mundo não vai acabar se você sai um pouco da linha ou se... Se você respirar por um momento.

Um montinho de cinzas cai na grama, manchando o verde de cinza. Ainda há um pouco de cinza aqui e acolá, mas dá pra lidar com isso. Fumaça se mistura ao céu, que divertido, ver as formas feitas de nada se tornando algo junto com o infinito. Vento vem de trás e dá à direção, o toque duro da terra nas costas é mais confortável que a cama do rei que se prende na sua torre e diz que muito bem obrigado, que sabe que os jardins são verdes e a felicidade mais dourada que o ouro, mas ele está muito feliz com sua situação atual.

Imaginação.

Uma ilha voadora pintada em estilo barroco, um pedaço de terra flutuando no céu, marrom como sua origem, vários tons dessa cor e vários flocos de terra que caem durante sua viagem. Grama verde que cresce por todos os cantos e torna o leito macio e confortável, perfeito para se deitar lá e relaxar um pouco.

Homem cor de creme não mais em preto ou no branco. O terno ainda é preto, mas ele gosta demais dessa pequena lembrança para se livrar dela. Seu corpo deitado sob a grama é contornado por uma pequena infinidade de florezinhas pequeninas e coloridas e ele sorri, ao notar que elas são dele.

O sorriso se abre mais ao ver uma dessas voando ao vento. Adeus pequenina. 

Guiada pelo seu moinho de vento a ilha continua sua jornada, através do céu e em busca de nada. Não é uma jornada como aquelas antigas, em que um homem e sua tripulação embarcavam num navio caindo aos pedaços e iam de terra em terra matando e deus sabe lá o que. 
Para o homem em creme, aquilo era o céu. Literalmente. 

Bocejou e se sentou, considerou espanar a terra das calças pretas bem cortadas, mas desistiu no meio da operação. Havia nostalgia na paisagem, daqueles tempos em que ele sabia qual era seu lugar e o que deveria fazer. Fez o cigarro desaparecer no ar e sua risada encheu o nada, que no momento cortava num meio um montinho de jovens nimbus que riam em vozes fofas sobre os pássaros. Canção de pássaros, canção pura e justa. 
No além da imaginação, além da quinta dimensão, no mundo selvagem que chamamos de casa, viajando além do firmamento de terra e se aventurando nos domínios do céu, o homem se sentia feliz.

Não havia muito na ilha. Como já dissemos (poderemos dizer de novo mediante pedido prévio assinado e repassado nas nossas sedes no país das maravilhas) era um lugar simples. Moinho de vento padrão em vermelho e branco encaixado com cuidado na terra fofa, cercado de grama que era feliz e flores que eram apaixonadas pelo o prazer de apenas ser. As pás giravam com cuidado e precisão de máquina, impulsionado a estranha espaçonave pelo o infinito. 

Mas o homem pensou numa outra realidade, a ideia lhe passou pela cabeça e lhe assustou. Numa colina melancólica a televisão continuava apresentando a programação normal em preto e branco, pintada de tragédia e comerciais, recoberta em estática. Sonho em outra realidade, algo além da nossa compreensão. Observem, agora a avó diz a sua neta que a ama mais do que tudo. Na cena anterior ela brigava com o pai aos berros sobre... Dinheiro... E na outra cena um flashback, contando como a avó se apoderou da netinha numa jogada suja. Você tá aqui comigo? 
Balançou a cabeça. Essa história não pertence a você, seu idiota! Pertence a outra pessoa, que ainda luta como a memória. Assim como você. É, o que você vai fazer agora? ... entendo...

Então, o homem se levantou e decidiu que “Vou deixar isso pra trás, mas não tão pra trás que eu não consiga voltar quando eu tiver que voltar, porque eu não posso fugir pra sempre.”.

Ele foi até a pontinha da ilha. Pássaros cantavam melodias de caixinha de música, o toque laranja do sol já se preparava para ir dormir, na colina a criança via a programação de sempre, a moeda tilintava lá baixo no bolso de alguém...

Num fetio de apresentador de televisão ele se apoderou de seu paletó, tão preto quanto o espaço do ponto de vista daquele macaquinho que colocaram no espaço, e deixou que ele voasse ao vento. Adeus, Paletó. 

Também mandou viajar o mapa que havia preparado com tanto carinho, mas não os charutos. Destes ele precisava. 

Risadas encheram o pequeno espaço da ilha voadora do moinho de vento. 

Rod Serling estava livre
Rod Serling estava de férias.
Rod Serling agora em technicolor.
Rod Serling em tons de creme.
Rod Serling. 
O amanhã.
Companhia Se Sinta Bem.
ana
ana
Moderador
Moderador

Feminino Idade : 22
Alerta Alerta :
Contos do Jogo Matrimonial Left_bar_bleue0 / 100 / 10Contos do Jogo Matrimonial Right_bar_bleue

Data de inscrição : 08/01/2011

Frase pessoal : ta dentro dos limites


Voltar ao Topo Ir em baixo

Contos do Jogo Matrimonial Empty Re: Contos do Jogo Matrimonial

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum