Pokémon Mythology
Olá, visitante! Vejo que ainda não está conectado ao nosso fórum, faça login.
Espere, você ainda não está cadastrado? D:
Inscreva-se em nosso fórum e venha aproveitar as novidades que estamos preparando pra vocês. Conte uma história, poste uma arte ou um vídeo! Confira os guias de jogos, tire suas dúvidas e compartilhe sua jogatina. Disputa batalhas online com jogadores e participe dos RPGs. Converse sobre qualquer coisa, poste memes, faça novos amigos! Só não deixe de logar ou se inscrever.
Para cadastrar-se clique no botão 'Sign-Up' ou em 'Registrar-se' aqui abaixo. Seja bem vindo!
Seventh Star - Black Sabbath [Resenha] Pikalove


Participe do fórum, é rápido e fácil

Pokémon Mythology
Olá, visitante! Vejo que ainda não está conectado ao nosso fórum, faça login.
Espere, você ainda não está cadastrado? D:
Inscreva-se em nosso fórum e venha aproveitar as novidades que estamos preparando pra vocês. Conte uma história, poste uma arte ou um vídeo! Confira os guias de jogos, tire suas dúvidas e compartilhe sua jogatina. Disputa batalhas online com jogadores e participe dos RPGs. Converse sobre qualquer coisa, poste memes, faça novos amigos! Só não deixe de logar ou se inscrever.
Para cadastrar-se clique no botão 'Sign-Up' ou em 'Registrar-se' aqui abaixo. Seja bem vindo!
Seventh Star - Black Sabbath [Resenha] Pikalove
Pokémon Mythology
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Seventh Star - Black Sabbath [Resenha]

2 participantes

Ir para baixo

Seventh Star - Black Sabbath [Resenha] Empty Seventh Star - Black Sabbath [Resenha]

Mensagem por Caio. Sab 7 Jul 2012 - 15:56

Seventh Star - Black Sabbath [Resenha] Black-sabbath-seventh-star-deluxe-edition-front-cover-58378

Albúm: Seventh Star.
Banda: Black Sabbath.
Genêro: Hard Rock.
Lançamento: 28 de Janeiro de 1986.
Duração: 34 Minutos e 55 segundos..
Gravadora: Warner Bros./Vertigo.

Formação:

Dave Spitz - Baixo
Eric Singer - Bateria
Glenn Hughes - Vocais
Geoff Nicholls - Teclados
Tony Iommi - Guitarra (Único membro original do Sabbath)

Track-List:

01. In For The Kill ♦
02. No Stranger To Love ♦
03. Turn To Stone ♦
04. Sphinx (The Guardian)
05. Seventh Star
06. Danger Zone ♦
07. Heart Like A Wheel ♦
08. Angry Heart
09. In Memory...

~X~

Em 1982, saíam da banda o excelente cantor Ronnie James Dio e o bom baterista Vinny Appice, por, segundo diz a lenda, problemas de relações com o resto da banda. Uma vez Dio declarou que não gostava era de estar na presença de Geezer Butler (Baixista da formação original e dessa formação também), porque este era uma pessoa muito negativa. Seja qual for o motivo, em 1983 eles chamaram o baterista Bill Ward (que não tocou em 81 nem em 82 por ter perdido familiares e estar com problemas de saúde) para "reunir" quase todos da formação original... Quase todos porque o cantor Ozzy Osbourne não estava lá. Então, para os vocais, chamaram ninguém menos que Ian Gillan (DEEP PURPLE), um dos melhores vocalistas da história do Rock/Metal. Esta formação chamou bastante a atenção, graças ao fato de ter tudo para dar certo... E deu? Bem, na minha opinião, e na de muitos fãs, deu SUPER certo sim. Em 1983 eles lançaram o excelente álbum BORN AGAIN, que variava entre faixas muito obscuras - como a faixa-título - até faixas mais hard rock/metal, como em "Trashed".

O maior problema dessa mágica, porém, não foram os fãs, mas sim a crítica, que caiu de pau em cima do excelente disco - talvez porque eles devem ter dado mais atenção à capa que é uma bosta, péssima, ridícula, feia, chame do que quiser, eu acho aquilo simplesmente horrendo - ao invés do som. O resultado? 1 Estrela e Meia (De cinco) na Allmusic; 1 Estrela (De cinco) na Blender. Mesmo tendo sido um álbum de muito sucesso - ficou em posições elevadas do chart, coisa que a banda não fazia desde o álbum SABBATH BLOODY SABBATH de 75 -, todas essas críticas negativas influenciaram a formação a não existir mais: uma perda considerável, infelizmente. E no fim, cada um foi para o seu lado: logo na turnê Bill Ward saiu, sendo substituído por Bev Bevan; Geezer e Gillan também não se demoraram e meteram o pé. Restou do BLACK SABBATH somente Tony Iommi.

Ele ia começar então um projeto solo, mas a gravadora forçou-o a usar o nome de sua antiga banda (daí o fato de estar escrito "BLACK SABBATH feat. Tony Iommi" na capa). Ao menos, Tony foi bem sensato nas escolhas que fez para sua banda: nos vocais, ninguém menos que Glenn Hughes, que tocou baixo na terceira formação do DEEP PURPLE (MK III e também tocou na MK IV), além de ter cantado algumas músicas ao lado de David Coverdale (cantor "oficial" do Deep Purple nestas fases), cara que tem uma linda e poderosa voz. Para a bateria, Eric Singer, que fez excelentes trabalhos no KISS (e continua lá até hoje) e no ALICE COOPER. Dave Spitz foi recrutado para o baixo. E o cara não era pouca merda não: ele toca muito bem, vide o solo dele na música N.I.B., que pode ser encontrado em alguns sites da internet por aí. Finalizando a formação, falemos sobre o disco em si.

Já abrindo com a poderosa "In For The Kill" (com uma excelente performance vocal de Glenn), ele parece ser tudo de bom, recheado de músicas rápidas. Infelizmente, não é isso que acontece. A faixa seguinte, "No Stranger To Love" também é bem legal, com um ótimo vocal. O maior problema é ser uma balada. Não que isso seja bem um problema, mas ela é parada. Não há nada a se destacar nela: é aquela típica balada oitentista que você gosta, ouve algumas vezes e depois de vez em quando se lembra. "Turn To Stone" é outra faixa bem legal, já começando com um [palavra censurada] solo de bateria e com um solo legal. Lembra bastante aquelas músicas de hard rock, sabe? Talvez porque seja uma, e uma bem [palavra censurada]!

"Sphinx (The Guardian)" é aquela típica música de abertura à outra música que o Sabbath passou a fazer com freqüência desde THE MOB RULES - embora eles tenham feito coisas parecidas com isso no álbum MASTER OF REALITY - e não a nada de especial a declarar sobre ela. Aí vem a faixa que dá nome ao álbum. As pessoas dizem gostar dela, alegando que é "negra e obscura como era nos primeiros álbuns"... Bem, se você é dessa opinião, então ok, todavia, pessoalmente, eu não gosto dessa música. Acho ela bem paradona e sem sal. A maior vantagem é que logo depois vem "Danger Zone", pra mim, a segunda melhor do álbum. É rápida, eficiente, tem um riff legal, um bom vocal. É bem simples, na verdade. E acho que essa é a maior graça nela: é um hardão legal, mesmo carregando algo meio obscuro no seu riff. Essa sim, para mim, é uma música "negra".

Depois disso aí, ele meio que desanda. "Heart Like A Wheel" é um blues mais pesado, com um riff bem legal - que foi até mesmo usado na música bônus da edição japonesa do álbum HEADLESS CROSS chamada "Cloack And Dagger", só que em uma versão aperfeiçoada. É uma faixa bem [palavra censurada], o problema é que é mais lenta. O riff é bom, como já disse e o vocal de Glenn faz jus aos grandes cantores desse estilo musical. Aí vem "Angry Heart", também com um bom riff. Só que é paradinha também, e típica música oitentista. "In Memory" é por sua vez outra balada, só que mais obscura que a segunda faixa deste disco. O problema? Outra faixa paradona.

E assim encerra o SEVENTH STAR, um álbum bem injustiçado mas que também não é as mil maravilhas. Possui boas faixas, faixas rápidas e tudo, mas seu maior problema é ter muita coisa parada, o que não atraiu muito a atenção dos fãs, por exemplo, da fase Dio ou do Gillan. Aí os fãs da fase Ozzy também acabaram virando a cara para esse disco. Outro problema é ter nove faixas em 34:55, mesmo que uma seja somente introdução. Acabou ficando algo corrido e sem sal, sem muito a declarar.

~X~

♦ Gostou? Sim? Não? Por quê? Comente. Expressar sua opinião e dar sua crítica é sempre bom, além de animar o autor, inspira-o a escrever. Críticas como "não gostei e nada mais", flames e afins serão ignorados.

♦ Por que não faz uma resenha/review do album de uma banda? É sempre bom termos mais autores por aqui, anima a área e inspira cada vez mais gente (inclusive) nós mesmos à escrever mais reviews e animar a área!

________________
Seventh Star - Black Sabbath [Resenha] HokOmTd

Seventh Star - Black Sabbath [Resenha] NQUBRsR
Caio.
Caio.
Membro
Membro

Masculino Idade : 24
Alerta Alerta :
Seventh Star - Black Sabbath [Resenha] Left_bar_bleue0 / 100 / 10Seventh Star - Black Sabbath [Resenha] Right_bar_bleue

Frase pessoal : A noir. E blanc. I rouge. U vert. O bleu.


Ir para o topo Ir para baixo

Seventh Star - Black Sabbath [Resenha] Empty Re: Seventh Star - Black Sabbath [Resenha]

Mensagem por andergiehl Sab 7 Jul 2012 - 17:39

Gostei de sua análise, o álbum é bem parado e sem sal mesmo, mas como você disse, tem algumas faixas legais, No Stranger To Love é cool xD
Você mostrou muito bem e direito os pontos do álbum, e o Born Again é dahora...

♦ Por que não faz uma resenha/review do album de uma banda? É sempre bom termos mais autores por aqui, anima a área e inspira cada vez mais gente (inclusive) nós mesmos à escrever mais reviews e animar a área!
Se eu fosse bom em descrições e talz faria uma, mas assim é melhor só acompanhar.

________________
Seventh Star - Black Sabbath [Resenha] Usa5s92
◠‿◠
andergiehl
andergiehl
Membro
Membro

Masculino Idade : 25
Alerta Alerta :
Seventh Star - Black Sabbath [Resenha] Left_bar_bleue0 / 100 / 10Seventh Star - Black Sabbath [Resenha] Right_bar_bleue

Frase pessoal : Quem vem com tudo não cansa.


Ir para o topo Ir para baixo

Ir para o topo

- Tópicos similares

 
Permissões neste fórum
Você não pode responder aos tópicos