Pokémon Mythology
Olá, visitante! Vejo que ainda não está conectado ao nosso fórum, faça login.
Espere, você ainda não está cadastrado? D:
Inscreva-se em nosso fórum e venha aproveitar as novidades que estamos preparando pra vocês. Conte uma história, poste uma arte ou um vídeo! Confira os guias de jogos, tire suas dúvidas e compartilhe sua jogatina. Disputa batalhas online com jogadores e participe dos RPGs. Converse sobre qualquer coisa, poste memes, faça novos amigos! Só não deixe de logar ou se inscrever.
Para cadastrar-se clique no botão 'Sign-Up' ou em 'Registrar-se' aqui abaixo. Seja bem vindo!
[Dangan Ronpa] A Consagração da Primavera Pikalove


Participe do fórum, é rápido e fácil

Pokémon Mythology
Olá, visitante! Vejo que ainda não está conectado ao nosso fórum, faça login.
Espere, você ainda não está cadastrado? D:
Inscreva-se em nosso fórum e venha aproveitar as novidades que estamos preparando pra vocês. Conte uma história, poste uma arte ou um vídeo! Confira os guias de jogos, tire suas dúvidas e compartilhe sua jogatina. Disputa batalhas online com jogadores e participe dos RPGs. Converse sobre qualquer coisa, poste memes, faça novos amigos! Só não deixe de logar ou se inscrever.
Para cadastrar-se clique no botão 'Sign-Up' ou em 'Registrar-se' aqui abaixo. Seja bem vindo!
[Dangan Ronpa] A Consagração da Primavera Pikalove
Pokémon Mythology
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

[Dangan Ronpa] A Consagração da Primavera

2 participantes

Ir para baixo

[Dangan Ronpa] A Consagração da Primavera Empty [Dangan Ronpa] A Consagração da Primavera

Mensagem por Mori Qua 21 Jan 2015 - 17:20

Esse texto é baseado num cenário alternativo da fanfic Um Outro Ato - Dangan Ronpa, onde Azami desiste de tudo e decide... Violet, Nana e tudo mais citados aqui pertecem ao canon da fic, que também é o canon do rpg

Consagração da Primavera





As nuvens estavam negras no céu, o cheiro de ozonio e de terra recém molhada permeava o ar, o silencio imponente, inquebravel, como um deus assistindo a suas criações, e no meio disso tudo com sua alma cheia de vazio se encontrava Azami,  a caveira de Nana estava presa em seu cinto, como uma pelucia macabra e de mal-gosto,  um lembrete morbido das batalhas vividas, das vitorias alcançadas, dos terrenos conquistados, das pessoas perdidas.
Pessoas perdidas.
Pessoas perdidas.
Pessoas perdidas.
- Clack - o silencio divino morre quando a Guerreira da Esperança desprende a caveira de seu cinto, seus delicados braços, agora marcados pela vida dura e arriscada se elevam a altura da cabeça da mesma, entre suas duas mãos abertas esta o seu troféu, as orbes vazias do cranio parecem brilhar com uma luz fantasmagorica, refletindo nos olhos tempestuosos e desesperados de Azami. - Eles são todos mentirosos, não são? - Ela roça seu rosto palido contra a fria ossada. - Você nunca me deixaria aqui, não é Violet? - assim como a rachadura que se rasga em um diamante que foi colocado sobre pressão, rasga-se um sorriso no rosto de Azami, um sorriso quase infantil, inocente. - Finalmente chegamos, querida!

Onde um dia residira as sementes da esperança agora brotam-se emaranhados de metal, concreto e sangue, a aura mortifera do local poderia ser sentido até pelo o mais Ateu dos seres, e no meio disso tudo, com sua cabeça cheia de ideias se encontrava Azami, a antiga Hope's Peak agora em ruinas, um monumento a desesperança e a desordem, um sinal do que existe de pior nos seres humanos, a garota continua escola a dentro, atravessando o grande portal de entrada, a alguns metros a gigantesca de aço se mantém, aberta e levemente enferrujada, Azami tosse algumas vezes, e do fundo de sua alma envoca um canto.

- Hoje eu te elevo, doce princesa! - o sorriso em seu rosto não podia ser abalado por nada, ela rodopiava e ria, feliz consigo mesma, tão feliz, tão livre. - Celebrar tua força, tua beleza! - assim como uma bailarina de caixa de musica, a sukeban girava pelos corredores, abraçada firmemente a sua amada, e girou, girou, girou até que não pudesse diferenciar entre céu e terra, certo ou errado, até que não pudesse diferenciar si mesma de - Nana? - Violet.
E com um baque surdo se estatelou no chão de piso claro, o corredor rodopiando a sua volta, como um arco-iris repulsivo de cinza e branco, um monotom só quebrado pelas transparente lagrimas que escorriam de seu rosto, levantou-se e limpou suas roupas, nunca soltando sua companheira, se moveu alguns passos, cantou alguns versos. 

- No sangue eu carrego a tua presença, sempre... - Uma pontada em seu estomago, uma dor lacerante em seu peito, como se adagas se movimentassem pela sua corrente sanguinea.

- Arranhando as veias, as artérias. - Vomitou, o cheiro de bile e sangue apodrecendo o ar, mas Azami não se importara, estavam juntas afinal, nada poderia separa-las, até a eternidade, sem ninguem para as atrapalhar, um sonho finalmente alcançado, um sonho que cheirava a calendula.

- Dá sentido a quem eu sou, a tua presença! - O sorriso, antes inocente agora tinha um ar doente, o sorriso que se vê em alguem que finalmente aceitou sua doença terminal, alguem que não teme mais a morte, tampouco a vida, o sorriso de alguem que abraçou seu destino.

Ambas seguem juntas, subindo a escadaria principal, cada degrau um arrependimento, cada degrau as levando para mais perto de seu destino.

- De mãos dadas giraremos... - Um degrau, uma lagrima, uma tristeza.
- Juntos subiremos... - Um degrau, uma vida, uma paixão.
- Até as portas do lugar onde mereces estar! - Um degrau, um lembrete, uma inevitabilidade.
- O topo dos topos! - O vento do terraço sopra em seus cabelos, o ar fresco enche seus pulmões.

A duas dezenas de metros de altura, folhas cobrindo o chão, raios de luz banhavam o terraço, e na borda daquilo tudo uma desistente Azami, uma Azami que perdeu tudo, uma Azami que nunca mais sofrerá, uma Azami para sempre junta de sua amada.

Atira-se.

Vivendo no limiar entre a desesperança e a salvação, Azami pereceu, de seu corpo nasceram flores, e de seu espirito soprou um tufão, de Azami Mori, agora apenas Azami, nada mais foi-se ouvido.

"E do ápice da máxima altura, conhecerás o beijo gelado do nada.
A sentença da queda livre rumo ao bruto tombo que consagrará a tua destruição.
E com os teus cacos brincaremos, e sobre os teus escombros dançaremos.

Por fim, a primavera."
Mori
Mori
RPG Mod
RPG Mod

Feminino Idade : 22
Alerta Alerta :
[Dangan Ronpa] A Consagração da Primavera Left_bar_bleue0 / 100 / 10[Dangan Ronpa] A Consagração da Primavera Right_bar_bleue

Frase pessoal : Ante up!


Ir para o topo Ir para baixo

[Dangan Ronpa] A Consagração da Primavera Empty Re: [Dangan Ronpa] A Consagração da Primavera

Mensagem por ana Qua 21 Jan 2015 - 17:26

esse texto conseguiu me deixar na bad
de novo
100/10
te amo
ana
ana
Moderador
Moderador

Feminino Idade : 23
Alerta Alerta :
[Dangan Ronpa] A Consagração da Primavera Left_bar_bleue0 / 100 / 10[Dangan Ronpa] A Consagração da Primavera Right_bar_bleue

Frase pessoal : ta dentro dos limites


Ir para o topo Ir para baixo

Ir para o topo


 
Permissão neste fórum:
Você não pode responder aos tópicos